DAQUI ATÉ ÀS DOMINATRIX VAI UM INSTANTINHO!!!!

Ser workachoolic nada tem nada de mal desde que se ame o que se faz. Já foi o meu tempo disso.Trabalhei tempos que pareciam infinitos e conclui que eram em vão. Se assim o entendermoos, o trabalho é algo de infinito, nunca acaba, há sempre mais a fazer.
Hoje trabalho das 9 ás tantas – ás vezes são 10 da noite ou 1 da manhã locais, e o trabalho ainda não acabou, pois o trabalho doméstico também ele conta – só porque tenho despesas para pagar, caso contrário dedicaria o meu tempo aos meus hobbies preferidos, a viajar e a algum voluntariado. È mesmo isso, é exactamente como estão neste momento a pensar: dedicaria o meu tempo a gozar a vida! Mas uma vos asseguro, jamais me tornaria numa tia oca e vazia a passear sobre umas belas antas agonizantes e majestosas, pois não é nada o meu género – não gosto de ser um bobo da corte. Eu cá é mais snickers, ténis ou alparcatas – como lhe queiram chamar-, pois há tanto no mundo pra se ver que não há tempo a perder com as futilidades de uma indústria globalizada, escravizante e escravizadora como é essa máquina pérfida de gerar dinheiro a que se chama MODA. E para quem gera ela dinheiro? Para os de sempre, os espertos e traquinas, muitos deles sem escrúpulos ou integridade alguma.
Não gosto de modas e modinhas redutoras, castradoras e vazias. Adoro sim esses exercícios de estilo, da afirmação do nosso eu indiviual pela via de uma estética.
Quanto à Moda, minhas caras fashion victims de horizontes limitados e iletracia adquirida, vós sim são a carne para canhão. Eu e os demais profissionais da área damos graças todos os dias por vocês existirem. São vocês que indirectamente como o vosso consumo desenfreado, tolo, vazio e iletrado que garantem os nossos empregos. A todas vocês tias, tios, quiquis e tótos, meninos e meninas, metro sexuais e gays, marilavas, garanhões e boazudas e companhia: o meu muito obrigada.
Um conselho que vos dou para uma vida menos tóxica:
Não se esqueçam do país tacanho, pequeno e ridículo onde vivem.
Não se esqueçam da impuridade latina que todos nós herdamos.
Não se esqueçam que as aparências não pagão dividas, quanto mais os óculos Prada.
Não se esqueçam que são um isco num jogo em tudo desonesto e canibalizante.

Não se esqueçam do significado da palavra volátil.
Não confundam vaidade e bom gosto com o sentido de está na moda.
Já chega, tamos todos tão cansaços desse conceito tão demodeé!!!!

Arraia Miúda-
– designer de moda e têxteis lar –

Things that I love- part I

Setembro 22, 2011

touch the screen and feed them

Viagem 1 mês na Asia Central: Turquia até  à China

Shared via AddThis

VIAJAR MUITO

Caramba este tal de João Leitão anda sempre a planear ou a fazer as viagens q eu quero p/ mim. Podem não acreditar – q é o+ provável – mas sempre que investigo sobre viagens e destinos na net, PUMMM!, lá tropeço no caderno de viagens do sr João! O q lamento irremediável/ é q este sr já tenha viajado mais do q eu, e quase sempre p/ destinos ‘exóticos’ e/ou pouco populares. Não obstante, a sua filosofia de vida parecer basear-se precisamente nessa necessidade intrínseca e constante de estar permanentemente em viajem. De cá para lá, de lá para cá… sempre à descoberta, sempre em mudança.

– Caramba!!!- suspiro – Como gostaria de ter nascido homem e Livre p/ o poder fazer também!

Será este o verdadeiro sentido daqueles que se cosnideram os verdadeiros Viajantes?

Abreviando, perante a minha tamanha estupefacção, à dias conclui que tudo se resume a 2 simples e objectivas palavras : VIAJAR MUITO!

Muitas viajens foi sempre o que + quis levar deste Mundo!

Esta é quase uma das viajens que eu planeio vir a fazer. Sim a secular Rota da Seda é um dos meus objectivos…Ou não fosse o livro das cidades invisíveis do Italo Calvino o meu livro de cabeceira, e seu lendário mercador de Veneza parte integrante do meu imaginário infantil. Eu, na realidade não gostava de me chamar Graça, mas sim Marco …e de sobrenome, Polo. Curiosamente o mais próximo de tudo isto que consegui arranajar foi um Marcos que é efectivamente o meu fiel e adorável companheiro da VIAJEM- ou pelo menos é assim que gostaria de o imaginar. E já que esta vida é A VIAJEM, o leal companheiro é fundamental, impreescendível e indispensável. Ou não o soubesse tão bem o meu doce e adorável sr Quixote.

my-wallpaper


Numa época em que tudo o que é verde, orgânico, biológico, ecológico e amigo do ambiente é fundamental…num tempo em que por este jardim à beira mar plantado, se sucedem os fogos icendiários, que para além de devastarem uma grande parte da nossa
inestimável floresta, devastam a nossa maior e melhor herança de todos os tempos –  a BIODIVERSIDADE -,urge repor o stock. O simples acto de cuidar, estimar e respeitar a floresta é fundamental. PLANTAR ÁRVORES É CONJUGAÇÃO EMINENTE!!!
Essa febre chegou até mim de várias maneiras e de todas as formas.Vou recolhendo alguns filhotes de freixos – fraxinus – que se instalam no quintal da minha mãe e cujo destino é a morte certa, transpondo-os para outras paragens bem mais longínquas: directamente de Chão de Couce para o Mundo!… nem que esse mundo seja simplesmente o micro universo do meu PC. Plantar árvores é absolutamente necessário, nem que seja sobre as águas do lendário rio Tamisa!!!!